Relação entre Acne e Síndrome de Ovários Policísticos (SOP)

Relação entre Acne e Síndrome de Ovários Policísticos (SOP)


Além da acne, o hiperandrogenismo causa seborreia, aumento de pelos (hirsutismo) e queda de cabelo (alopecia).

Relação entre Acne e Síndrome de Ovários Policísticos (SOP)

As causas hormonais de acne incluem todas as situações que resultam de secreção aumentada dos andrógenos (hiperandrogenismo, ou seja, a elevação da quantidade de hormônios masculinos) em homens e mulheres. Desta forma, a presença de acne na fase da puberdade é normal em ambos os sexos, sendo causada pelas modificações hormonais relativas a essa fase do desenvolvimento corporal. No entanto, vale uma investigação mais detalhada quando o aparecimento da acne for mais precoce ou mais tardio.

Além da acne, o hiperandrogenismo causa seborreia, aumento de pelos (hirsutismo) e queda de cabelo (alopecia). Dentre as causas no sexo feminino, pode-se citar a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), doenças da glândula suprarrenal e uso de medicamentos hormonais. Dentre a faixa etária mais acometida estão mulheres acima de 25-30 anos com acne de aparecimento recente ou na presença de outros sinais de hiperandrogenismo, os quais devem ser submetidos a uma avaliação hormonal minuciosa.

De acordo com Leite (2005), a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) acomete a população feminina de 5-10% em idade reprodutiva e pode ser considerada a maior representante das doenças endocrinológicas nesta fase da vida da mulher. Clinicamente costuma ser caracterizada pela presença de anovulação e hiperandrogenismo. A acne vulgar e o excesso de oleosidade cutânea ocorrem em torno de 30-40% nas mulheres portadoras de SOP.

Diante disso, a acne se torna um dos sintomas mais comuns na Síndrome dos Ovários Policísticos. Quando o andrógeno atua sobre o sistema pilossebáceo, aumenta a produção de pelos e a de material oleoso pelas glândulas sebáceas, o que facilita a instalação das infecções características da acne. A acne causada pela SOP fica mais concentrada na parte inferior do rosto. 

Inúmeros estudos tentam correlacionar a apresentação clínica da acne com marcadores de hiperandrogenismo. Embora alguns tenham demonstrado correlação entre acne e níveis elevados de sulfato de dehidroepiandrosterona, androestenediona, testosterona e do IFG, outros não comprovam esse achado (MOURA et al., 2011).

A importância do tratamento da acne é significativa na mulher, pois acomete principalmente adolescentes e mulheres na menarca, acarretando grande ansiedade. A acne interfere negativamente na autoimagem e autoestima, justificando assim, buscar um melhor conhecimento do tratamento desse problema através do médico ginecologista (tratamento realizado com hormônios) e com o dermatologista. Segundo Stneiner (2010), alguns mitos e distorções que envolvem a acne, como a crença de que ela é um mal passageiro, necessitam serem revistos pelos profissionais e portadores do problema.

Diversos tratamentos são oferecidos para acne com o objetivo de reduzir a gravidade e a recorrência das lesões cutâneas, bem como melhorar o seu aspecto estético. No entanto, o fator principal é a identificação da causa para realmente ser feito a melhor opção terapêutica. Isso dependerá de uma avaliação do seu histórico clínico para que, assim, os tratamentos possam atuar em todos os fatores causadores da acne, levando em consideração que com uma equipe multidisciplinar os resultados serão bem mais efetivos.

Referências bibliográficas

Disponível:  http://www.denisesteiner.com.br/derma_geral/acne.htm

Disponível: http://www.endoclinicasp.com.br/informativos/publico-geral/acne-causas-hormonais-e-nao-hormonais/